Escolha uma Página

A incontinência fecal é uma questão que pode ser desconfortável de abordar, mas é uma condição que impacta muitas pessoas. No entanto, compreender o que é, seus sinais e as opções de tratamento disponíveis é fundamental para melhorar a qualidade de vida daqueles que lidam com esse problema.

O que é incontinência fecal?

A incontinência fecal, também chamada de incontinência anal, é caracterizada pela perda do controle sobre a evacuação, levando à passagem involuntária de fezes ou gases. Essa manifestação pode ser esporádica ou recorrente, indo desde um leve escape fecal até a incapacidade de reter fezes amolecidas ou líquidas.

Embora possa afetar pessoas de todas as faixas etárias, é mais comum em idosos e mulheres que passaram por múltiplas gestações ou partos.

As causas da incontinência fecal são variadas e podem incluir danos aos músculos ou nervos que controlam o ânus e o reto, distúrbios neurológicos, complicações cirúrgicas ou obstétricas, e certas doenças gastrointestinais.

Sintoma de Incontinência Fecal

A incontinência fecal é uma condição caracterizada por uma série de sintomas que podem variar em gravidade e frequência. Os sintomas podem ocorrer de vez em quando ou de maneira contínua, e podem envolver:

Eliminação involuntária de fezes: Este é o sintoma mais comum e pode variar desde um pequeno vazamento até a completa perda de controle das fezes. A perda pode ocorrer sem perceber ou pode ser precedida por uma urgência incontrolável para evacuar.

Liberação de gases: A incapacidade de controlar a passagem de gases é outro sintoma comum da incontinência fecal.

Urgência para evacuar: Algumas pessoas com incontinência fecal podem sentir uma necessidade súbita e incontrolável de evacuar.

Incontinência passiva: Isso ocorre quando uma pessoa elimina fezes ou gases sem perceber que isso está acontecendo.

Sensação de evacuação incompleta: Após usar o banheiro, pode haver a sensação de que o reto ainda não está completamente vazio.

Diarreia ou constipação: Em alguns casos, a incontinência fecal pode ser acompanhada por episódios de diarreia ou constipação.

Desconforto ou irritação anal: Devido à passagem frequente de fezes, a pele ao redor do ânus pode se tornar irritada ou dolorida.

É importante notar que a presença de um ou mais desses sintomas pode indicar incontinência fecal. Se você está experimentando algum desses sintomas, é importante procurar um médico coloproctologista para um diagnóstico e tratamento adequados.

Diagnóstico

O processo de diagnóstico da incontinência fecal começa com uma consulta médica, durante a qual o médico faz uma série de perguntas detalhadas sobre os sintomas, histórico médico e hábitos intestinais do paciente. É crucial que o paciente seja sincero e aberto durante essa conversa para facilitar o entendimento da situação pelo médico e determinar o melhor plano de tratamento.

Após a consulta inicial, podem ser solicitados uma série de exames para auxiliar na identificação da causa subjacente da incontinência fecal.

Os exames podem incluir:

Exame físico proctológico: Feito no consultório pelo medico proctologista esse exame incluiu a inspeção local, o exame de toque retal e a anuscopia (exame realizado com um pequeno aparelho plástico introduzido no canal anal).

O objetivo é avaliar de forma superficial a alteração de força do esfíncter e identificar lesões no anus que possam ser causa da incontinência.

Manometria anorretal: Este teste mede a pressão no ânus e no reto, bem como a sensibilidade e a função reflexa, o que pode ajudar a determinar se os músculos e nervos estão funcionando corretamente.

Ultrassonografia endorretal: Este exame usa ondas sonoras para criar uma imagem do ânus e do reto, o que pode ajudar a identificar problemas com os músculos que controlam a defecação.

Eletromiografia (EMG): Este teste mede a atividade elétrica dos músculos e pode ser usado para confirmar o dano aos nervos ou músculos na área retal.

Estudos de trânsito intestinal: Estes testes mostram como os alimentos se movem através do intestino e podem auxiliar a identificar problemas de constipação ou bloqueio.

Defecografia por tomografia ou ressonância magnética: Este exame mostra o reto e o ânus durante a defecação e pode ajudar a identificar problemas como a descida excessiva do reto, com o posicionamento dos órgãos pélvicos ou com a movimentação da musculatura durante a evacuação.

diagnóstico de incontinência fecal pode ser um processo complexo, pois há muitas causas possíveis para essa condição. No entanto, com uma avaliação minuciosa e completa, a maioria dos pacientes pode obter um diagnóstico preciso e um plano de tratamento eficaz.

Tratamento para a Incontinência Fecal

O tratamento para a incontinência fecal é multifacetado e depende da causa raiz, da gravidade dos sintomas e da saúde geral do paciente. O objetivo do tratamento é ajudar a restaurar o controle intestinal e melhorar a qualidade de vida do paciente. Aqui estão algumas das opções de tratamento mais comuns:

Alimentação e estilo de vida

Em alguns casos, a incontinência fecal pode ser controlada com mudanças na alimentação e no estilo de vida. Isso pode incluir a ingestão de uma dieta rica em fibras para ajudar a regular os movimentos intestinais, a ingestão de líquidos suficientes para evitar a constipação, e a prática regular de exercícios físicos para melhorar a saúde geral e a função intestinal.

Medicamentos

Existem vários medicamentos que podem ser usados no tratamento da incontinência fecal, dependendo da causa raiz. Isso pode incluir medicamentos para tratar a diarreia, medicamentos para ajudar a controlar os movimentos intestinais e, em alguns casos, medicamentos para tratar condições subjacentes que podem estar causando a incontinência fecal.

Fisioterapia do assoalho pélvico

A fisioterapia do assoalho pélvico pode ser uma opção eficaz para algumas pessoas com incontinência fecal. Isso envolve o treinamento dos músculos do assoalho pélvico para melhorar o controle intestinal.

Cirurgia para incontinência fecal

Em casos mais graves, ou quando outros tratamentos não foram eficazes, a cirurgia pode ser uma opção. Existem várias técnicas cirúrgicas que podem ser usadas para tratar a incontinência fecal, incluindo a reparação de músculos danificados, a implantação de um esfíncter artificial, ou a realização de um procedimento chamado neuromodulação sacral, que usa impulsos elétricos para ajudar a controlar os movimentos intestinais.

É importante lembrar que cada paciente é único e o que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra. Portanto, é importante trabalhar com um médico para desenvolver um plano de tratamento personalizado.

Ficou com alguma duvida? Entre em contato:

Telefone: (11) 97805-4387

(11) 4395-1284 / (11) 99866-3632

A incontinência fecal é uma questão que pode ser desconfortável de abordar, mas é uma condição que impacta muitas pessoas. No entanto, compreender o que é, seus sinais e as opções de tratamento disponíveis é fundamental para melhorar a qualidade de vida daqueles que lidam com esse problema.