Escolha uma Página

São doenças autoimunes que apresentam inflamação intestinal como principal sintoma.

A doença de Crohn pode apresentar inflamação em qualquer parte do trato digestivo, desde a boca até o ânus. Sendo a parte final do intestino fino (íleo terminal) seu local mais comum de acometimento.

Já a retocolite ulcerativa é mais limitada do intestino grosso, com o reto sendo o local inicial acometido, porém a inflamação pode acometer todo o intestino grosso em casos mais graves

As causas são diversas

Fatores genéticos, alimentares, psicológicos, ambientais, flora intestinal, entre outros.
Os sintomas mais comuns estão correlacionados com a área inflamada e o grau de inflamação, mas são principalmente: dor abdominal, alteração do hábito intestinal (sendo a diarreia a alteração mais comum), distensão abdominal, sangue e muco nas fezes, perda de peso, febre baixa ou calafrios…

Diagnóstico

É feito principalmente através do exame de Colonoscopia, mas muitos outros podem ser necessários:

  • Tomografia,
  • Ressonância,
  • Endoscopia Digestiva Alta,
  • Biópsias, exames de fezes, exames de sangue.

Em muitos casos o diagnóstico não é simples, e pode haver mudanças com tempo de acompanhamento.
Devem ser excluídas outras causas para a inflamação, assim como diabetes e hipertensão, por exemplo. Portanto não há cura, porém podem ser controladas e o paciente ficar sem sintomas.

Tratamento

O objetivo principal do tratamento é a ausência total de inflamação intestinal.

O tratamento envolve uso de várias classes de medicamentos. Desde corticóides, antibióticos; salicilatos, imunossupressores, terapia biológica.
E alguns casos podem ser necessárias cirurgias, com ou sem ostomias.

O principal é realizar consulta médica com especialista: Gastroenterologista ou Coloproctologista, sempre que houver qualquer sintoma.
Evite automedicação!

Quer saber mais? Entre em contato:

Telefone: (11) 97805-4387

(11) 4395-1284 / (11) 99866-3632

Considerado o terceiro tipo de câncer mais frequente em homens (após próstata e pulmão) e o segundo entre as mulheres (após o câncer de mama), o câncer colorretal é um tumor que acomete o intestino grosso (subdividido em cólon e reto). Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), a cada ano, há 34.280 novos casos de câncer colorretal, dois quais 15.415 se encaminham para óbito. Ao todo, 16.660 homens e 17.620 mulheres são diagnosticados todo ano com a doença.