Escolha uma Página

A Doença Inflamatória Intestinal (DII) é representada por duas afecções: Doença de Crohn e Colite Ulcerativa.

Ambas são doenças crônicas recidivantes que geram inflamação no intestino. Na Doença de Crohn a inflamação pode ocorrer em qualquer segmento do trato gastrointestinal, mas é mais comum no final do intestino delgado (íleo terminal).

A Colite Ulcerativa acomete o reto e cólon.

Ambas também pode apresentar manifestações extra-intestinais, como artrites por exemplo.

Diagnóstico

O diagnóstico destas enfermidades é baseado no conjunto de sinais e sintomas referidos pelos pacientes, exames laboratoriais, de imagem e endoscópicos com biópsias. Sintomas relacionados a inflamação do trato gastrointestinal e que podem ter relação com a DII são:

• Diarreia

• Sangramento retal

• Dor abdominal

• Urgência evacuatória

• Febre

• Perda do apetite

• Fadiga

• Perda de peso

Estes sintomas são semelhantes àqueles que ocorrem em outras doenças, assim é sempre importante descartar outras causas que justifiquem tais alterações.

Os próximos passos do diagnóstico incluem a realização de exames laboratoriais sanguíneos e fecais. Os exames fecais são úteis para descartar infecção intestinal, muito frequente no Brasil. Há também um marcador de inflamação muito importante chamado calprotectina que pode ser dosado nas fezes e ajuda bastante no seguimento da doença.

Alguns exames radiológicos também podem ser necessários como raio x de abdome, exames contrastados como trânsito intestinal, enema opaco, tomografia, ressonância ou enterografia por tomografia ou ressonância. Estes exames necessitam contraste, para que as alças de intestino delgado possam ser vistas, assim é preciso muita colaboração.

Nem sempre é necessária a realização de todos os exames descritos. Cabe ao médico decidir, de acordo com seus sinais e sintomas, a melhor maneira de se chegar ao diagnóstico.

Tratamento

Não existe um medicamento que cure a DII. Existem, entretanto, vários tratamentos que permitem minimizar os sintomas e, inclusive, induzem à remissão por um longo período de tempo, permitindo melhor qualidade de vida.

Hoje é possível conviver muito bem com a doença. O tratamento adequado depende dos sintomas, da localização, gravidade, extensão da doença, resposta aos tratamentos já efetuados, número e gravidade das agudizações anteriores e tempo de remissão.

Somente o seu médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para seu caso, bem como dosagem correta e a duração do tratamento. Siga à risca as orientações e nunca se automedique. A dieta dever ser saudável.

Embora alguns alimentos agravem os sintomas, não há evidências que a inflamação intestinal seja alterada por qualquer alimento. Por isso, as recomendações devem ser individualizadas, conforme a reação de cada paciente. Nas crises de diarreia e cólica abdominal é recomendável evitar alimentos ricos em fibras, frituras e fermentados, mas cada fase da doença e tipo de organismo responde à dieta de uma forma diferente.

A interrupção do tabagismo é fundamental e faz parte do tratamento. Há diversos estudos demonstrando que na Doença de Crohn, o tabaco piora muito a doença, os pacientes respondem menos ao tratamento clínico e cirúrgico, e recidivam com mais frequência.

Quando é indicado Cirurgia para Doença Inflamatória Intestinal ?

Alguns pacientes evoluem com complicações da doença como perfuração intestinalfístulasabscessosestenosesneoplasias e necessitam tratamento cirúrgico que podem ser desde limpeza da região, drenagem, até retirada do segmento inflamado.

Seu médico decidirá junto com você qual caminho a seguir para que tudo ocorra da melhor forma possível. Sabidamente vivemos tempos melhores graças aos avanços no conhecimento sobre DII em especial na imunologia e farmacologia.